25 janeiro, 2006

Massagens I

Costuma dizer-se, em Roma, como os romanos, e agora, na China, como os chineses...

Resolvi assim experimentar algumas delícias que o Oriente oferece e, levada por uma amiga recente, submeti-me a uma hora de massagens nos pés, também denominada muito cientificamente Reflexologia! Alertada pela minha filha, já experimentada nestas coisas, foi-me dito que não era nada agradável...antes pelo contrário! Teimosa, lá fui, numa tarde de domingo, já que naquela terra trabalha-se muito, dia e noite, aos feriados e domingos!
Na rua, um letreiro com um pé enorme indicava ao que ia. Subi para o 1º andar, depois da minha amiga explicar o que pretendíamos. Em cima, uma sala enorme com cadeirões estofados e banquetas para os pés, numa penumbra. Dois chineses dormiam profundamente, ao mesmo tempo que lhes massajavam os pés com muita paciência.
A massagem acabou por ser agradável, usando o travão cantonês man-man, ou seja devagar, devagarinho, adoçado por uns sorrisos pedindo clemência, lá fui conseguindo que a massagista que me calhara fizesse o seu trabalho sem me magoar...
Fiquei convencida!

3 comentários:

António Lisboa Gonçalves disse...

Eu, em terras do Oriente, das coisas k mais gostava era das massagens, k maravilha. Eu ainda uso esse termo do man-man!
Um abraço e obrigado pelos teus comentários.

Girassol disse...

Olá António Gonçalves!
Bem, na Tailândia já achei mais piada...e não me importava de repetir!
Um abraço

Bitta disse...

Uma massagem para ficar com nódoas negras... não obrigada!!!

Gostei do seu comentário... são palavras que preciso ouvir...