29 janeiro, 2006

Conversas com o meu espelho II


Woman looking at a mirror - Faith Ringgold

.............................................................
O pescoço despencou de vez. Não tarda que pareças um perú bêbado, pronto para a ceia de Natal. Acabaram-se as alcinhas, as saias curtas, os saltos altos. Acabaram-se as noites longas, porque as olheiras deixaram de ser interessantes para se tornarem deprimentes. Não, não vás buscar os óculos. não me obrigues a mostrar-te que estás velha. Ah, sim? E depois? Fui nova e bonita durante tantos anos que agora me parece justo pagar este tributo à vida que me favoreceu. Iria odiar ver a minha boca inchada de colagénio, as bochechas paralisadas de botox, as orelhas arrepanhadas da cirurgia, a testa cada vez mais alta e mais oca. A minha ideia é que Deus dá beleza às mulheres e aos homens para se atraírem mutuamente e cumprirem o seu plano universal de reprodução da espécie. Portanto, pele lisa e luminosa, lábios cheios, cintura fina, maminhas empinadas, cabelos longos e macios. E nos homens, tudo o quanto apreciamos e nos faz inconscientemente escolhê-los para pais dos nossos filhos, assegurando uma genética cinco estrelas. É assim com todos os animais: as fêmeas escolhem os mais belos, os mais fortes, os mais capazes. Atraímo-nos e reproduzimo-nos. A nossa função biológica é cumprida e termina aí. È justo que depois disso queiramos ter boa aparência. Mas não temos de ser novas e sobretudo não precisamos de parecer novas. Embirro com o conceito de parecer. Uma coisa é ou não é. Uma pessoa é ou não é. Prefiro ser.
...................................................

Conversas com o meu espelho - Rosa Lobato Faria

4 comentários:

Bazuca disse...

Embora geneticamente o possa ser, racionalmente recuso-me a ser considerada um objecto colocado neste mundo para ser um chamariz dum qualquer macho, vitima como eu do plano universal da conservação das especies...para reproduzir-me e depois morrer.
E não falando na possibilidade actual de reprodução em idades avançadas...porque não falar tambem dos homens? como o pai do Julio Iglesias que teve 2 filhos aos 80 e muitos e noventa anos!
actualmente já não há limites de idades...para nada.
bjinhos, Sunflower, eu sei que tu não és obsoleta.

paper life disse...

Eu também prefiro ser.

:)

Bjs.

Girassol disse...

Ai, minha amiga rebelde, concordo contigo em muita coisa.
A idade está na nossa cabeça...mas às vezes pesa....!
Sei como pensas...Mas existem muitas mulheres que têm imensos problemas em envelhecer, em aceitar os sinais exteriores e algumas limitações que a idade vai trazendo. Esta conversa é principalmente para elas, mas não faz mal nenhum lembrar.
Uma pessoa é ou não é. Prefiro ser.
Bjinhos

Bjinho

Girassol disse...

Olá Vida de papel!
Gostei principalmente quando ela diz:
Mas não temos de ser novas e sobretudo não precisamos de parecer novas. Embirro com o conceito de parecer.
Eu também...
Bjs