07 janeiro, 2006

Coragem

De regresso de Coimbra, vínhamos caladas.
A Tita rompeu o silêncio:
- Ai, mãezinha, quando o médico te deu a notícia, que te iam operar, senti as pernas a fraquejar, ia caindo redonda no chão...
Acredito, para mim também foi um choque! Ao entrar num dos gabinetes do IPO de Coimbra, vi logo que a coisa era séria. Depois de muitos exames, veio o veredicto: ia para a operação, podia ficar sem o peito, já
que todos os exames tinham sido inconclusivos. Para me dizerem isto estavam dois médicos sentados à minha direita, um à frente e uma assistente social que me tinha acompanhado até ali, atrás de mim...Não fosse dar-me o fanico! Nessa noite não dormi no quarto, por me sentir enclausurada. Dormi no sofá da sala, o Fernando dormiu no chão, mãos agarradas toda a noite. E um choro de mansinho. Não pensei : - Porque raio me acontecia aquilo a mim?...Pelo contrário, agradeci a Deus ter poupado as minhas duas filhas.


Coragem não se compra, só se tem
Ao ser exigido algo de nós;
Coragem é-nos dada por Alguém
Se pede com fervor ao estarmos sós!

O coração estremece, as pernas tremem
De suores banhada, de calores,
Mas graças a Ele desaparecem,
Esvaem-se todos os temores...

Tua Mão não quero mais perder
Agarrada à minha eternamente,
Qual criança aflita agarra a saia
De sua mãe, chorando docemente...

4 comentários:

Anónimo disse...

versejas muito bem, Girassol!
sim, a coragem tem várias vertentes, a tua é linda, mas tambem existe aquela em que, perante um beco sem saida há que sair dele, viva ou morta...e no 1º caso a coragem é reinventada mil vezes.
bjs

Girassol disse...

São versinhos naives...mas sentidos!
É e eu tive sorte...ou foi misericórdia?
Já varri os spys...mas estão sempre a trabalhar...!!!!
Bjs

Catarina Grilo disse...

Estou estupefacta! (é assim que se diz não é?!). Eu nunca soube de nada disto.. Estou um bocado desactualizada, parece-me xD Beijinhos e é óptimo que tudo tenha corrido bem :)

girassol disse...

Catarina, isto já passou, eras pequenita....!!!! Mas gostava que lesses o que escrevi para a tua avó...
Bjinho