06 abril, 2006

Não posso adiar o amor





Oceanic club - De Loustal

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.


António Ramos Rosa

19 comentários:

greentea disse...

o amor não se adia nos corações grandes como o teu.

Bom dia!

BlueShell disse...

Muito bom poder reler. Obrigada.
Deixo uma lágrima AZUL
BLUESHELL«~«~«~«~«
~«~«~«~«~«~«~«~«~«~«
~»~»~»~»~»~»~»~«~«~«

hfm disse...

Belíssimo. Gosto muito de ARR

Menina_marota disse...

O meu poema favorito, desta grande poeta...

Beijo meu ;)

clotilde disse...

Que bom recordar este poema.
Muito bonito, sempre!

Beijinhos

sa.ra disse...

que engraçado...
e encontro logo a Greentea.
Vim cá parar através do Desambientado!

Belo! o lugar do girassol!
volto!

um dia feliz

Paulo J. Ribeiro disse...

Muito bonito... A imagem é excelente!

paper life disse...

E aí estás de volta a trazer-nos um poema de amor e música alegre.

:) Bjinhos

Girassol disse...

greentea
blueshell
helena
marota
clotilde
paulo

Não devemos adiar nada...sob pena de perder o melhor!!!!

sa.ra , agradeço a visita...Volta sempre!

pois.claro, para ti, minha amiga, dedico o quadro, pensando na tua história de jazz e amor....E não só!

beijokinhas para todos!

Isabel José António disse...

Olá! Tenho-te visto com os teus comentários nos diversos blogs. Hoje vim cá fazer-te uma visita.

Este poema coloca-nos algumas muito importantes questões. Entre elas destaco duas:

- O amor não está fora de nós. Podemos procurá-lo por todo o lado que não o encontraremos nunca. O que poderemos afinar é o "nosso diapasão vibratório" de forma a que nós sintamos o amor em nós e vibrar com tudo o que nos rodeia e atraindo a nós (e nós aos outros) todos aqueles que estão no mesmo comprimento de onda;

- O amor, e tudo na vida, é AGORA que se vive, que se sente e que se manifesta. Não há ontém, nem amanhã!
É hoje que o devemos viver e sentir.
Se não ficaríamos dependentes de que o amor de terceiros viesse fazer milagres. E esse amor de terceiros nem sempre acontece.

Muito bonito. Lindo.

Se quiser fazer uma visitinha ao nosso cantinho... será bem vinda.

Um abraço

José António

Desambientado disse...

Há coisas que são mesmo inadiáveis, o amor é uma delas. Há coisas que não se podem guardar para consumir mais tarde.
Há coisas que são como o vinho do Porto, que quanto mais velho melhor, mas, não pode ser guardado.

Gostei muuito do post.

clotilde disse...

Tem uma boa noite!

Beijinhos

cuco disse...

Só vim "olhar" o girassol....
Fraternalmente

PiresF disse...

O amor não tem ódio nem competição, o amor é harmonia, amizade, conhecimento e cumplicidade, ao contrário da paixão, onde existe a subjugação e a competição.
Creio que ARR se confunde neste poema.
Desculpa.

Girassol disse...

Isabel e José António, agradeço a visita e as sábias palavras. Já lá dei um salto e gostei!

Cuco e Clotilde, uma boa noite também!

Pires, desculpa porquê, meu amigo?
O poema terá tantas leituras quanto mais rico for o seu conteúdo e bela a sua forma....
Entendo aqui o amor num sentido mais lato, universal, a entrega...
Amanhã pode ser tarde...podemos já não o poder dizer ...! Seja a quem for!!!
Claro que a paixão é assim como descreves; mas no amor também há momentos duros, de quase-ódio...que logo se desfaz...por ser tão efémero e muitas vezes sem sentido!!!
Mas concordo contigo nas definições de amor e paixão...
bjinho

Um outro olhar disse...

o amor não se adia, nem se deve adiar
quem o faz é o maior erro que comete

:)

Bazuca disse...

O amor acontece quando tem de acontecer ... quando nos agrada.
O ódio deve ser adiado até ficar bem frio e depois decidir se vale a pena transformá-lo em vingança...
Tudo nesta vida tem o seu tempo certo, sem adiamentos, sem precocidades.
Viver simplesmente!
O teu Blog, Sunflower, tem uma presença que não deve ser adiada!
Bjinhos

Girassol disse...

Um outro olhar, adio muita coisa...nunca o amor!

Bazuca, já cá faltavas para uma guerrinha sã acerca deste tópico tão controverso ....Amor! Vais dar-me na cabeça no post a seguir...lolol

Beijinhos

aprendiz de viajante disse...

Poema muito bonito... ficou um post LINDO!!!

O amor acontece, não se espera, não se adia, não se pede...

Um grande bjo para ti GIRASSOL!