07 fevereiro, 2006

O Verdadeiro Gesto de Amor


The first kiss - Paul Greenwood


Aquilo que de verdadeiramente significativo podemos dar a alguém é o que nunca demos a outra pessoa, porque nasceu e se inventou por obra do afecto. O gesto mais amoroso deixa de o ser se, mesmo bem sentido, representa a repetição de incontáveis gestos anteriores numa situação semelhante. O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável. Fundamentalmente, uma inocência.

O Verdadeiro Gesto de Amor - Fernando Namora, in 'Jornal sem Data'

7 comentários:

Bitta disse...

Para pensar e muito bonito!
A imagem é ajustada às palavras e à dona do blog.
Bjinhos

Betty Branco Martins disse...

Lindo... E que se "beba" a imagem e o acto...

Quando o amor te acenar - segue-o
ainda que os seus caminhos
sejam duros e escarpados
e quando as suas asas
te envolverem - entrega-te
ainda que te fira
a espada que traz
escondida na plumagem...

Beijinhos

Isabel-F. disse...

Belissimo este texto.
Não conhecia.
Adorei ler.
Beijinho

ferrus disse...

Cada gesto de amor são raios de sol ao amanhecer...todos os dias nasce o sol, mas nunca de igual modo...assim os gestos :-)

Girassol disse...

Bitta, fico sem jeito...Também se poderia pensar que ela tinha a jarra na mão por outro motivo...!!!!

Betty, fizeste um poema lindo...Posso usar num post? Pois que há maior que o amor? Não é fácil, mas sabe tão bem.

Isabel, às vezes, as palavras certas são-nos oferecidas...É o caso!

Ferrus, que beleza...Deixas-me usar também?
Que sorte a minha, poder inspirar-me nas vossas palavras para fazer um post!

Beijokas para todos

Paulo J. Ribeiro disse...

Lindo!!!

Bazuca disse...

Há tantos...e verdadeiros!