16 março, 2006

Que seca...

No verão passado a Seca em Portugal foi um problema muito grave. Afectou pessoas, animais, culturas e esperemos que não se volte a repetir este ano!
Também fui vítima da Seca! Nunca pensamos que o mal se chega a nós, só ao vizinho do lado, mas afinal acabei por estar na seca durante três lon.........gas semanas! Sabem o que isto é? Pois é, um tormento!!!! Não entrei em pânico porque sou muito positiva, sempre a afastar os pensamentos menos alegres...


Chicken Run - Elena Gomez

Então passo a contar...

Desde há vinte e quatro anos que vivo na aldeia, abastecendo-me única e exclusivamente da água de um poço com cerca de nove metros de profundidade. Nunca faltou água, nunca paguei água, tudo a correr sobre esferas, ou seja, aguinha a correr no lençol freático que dava para todos os poços ali à volta! A ligação à rede ficou por fazer, como muitas outras coisas que só foram feitas 20 anos depois...Somos portugueses, nem é de estranhar!!!!!
Mas desta vez, o tiro saíu pela culatra e a bendita água começou a falhar...até que sumiu de vez! Os agricultores ainda com água continuavam a regar, mas já havia poços secos por todo o lado. Alfaces e couves a granel, a precisar de regas diárias e a água a escoar-se rapidamente. O Fernando levantava-se de madrugada, ia pôr o motor a trabalhar para recolher alguma água para a banheira e num bidom fora de casa. Sim, porque as galinhas e patos já andavam a beber água do Luso!!!! E assim fomos vivendo, poupando água, reduzindo toda a actividade ao mínimo para não gastar a dita! Banhos era como no mato: água aquecida numa panela, escorrendo em fio pelo corpo usando uma púcara! Ah, mas soube bem, talvez por lembrar outros tempos em África, nomeadamente em Nova Maceira, na Beira, quando o banho era tomado com chuveiro, construído com um balde!
E a roupa? Ah, a roupa...Foi-se acumulando, até a levar para a lavandaria onde, no mesmo dia voltou lavada e seca! Milagre!
As plantas, sequiosas, tinham de aguardar...Algumas morreram, outras lá se aguentaram! Entretanto tinha-se pedido o ramal e o contador aos SMA, que demorou, apesar dos inúmeros pedidos de socorro, três semanas!!!!!

King Pin - Jennifer Dennis

Agora a minha criação ficou reduzida a duas galinhas poedeiras e um galo para as tornar mais felizes. Com o perigo de aproximação da gripe das aves ( e gatos...), despachei as duas patas e o pato para quem mos tinha oferecido, seguindo-se provavelmente o resto da criação....
Entretanto, o Fernando gosta de ver os galináceos à solta e em vez de os fechar na capoeira deixa-os andar pelo quintal a picar no chão...Ora, não é muito aconselhável dar aos bichos ordem de soltura, dada a proximidade da Ria de Aveiro, um dos locais de risco para a gripe das aves!!!... O que acontece é que não lhes chega o quintal, não senhor! Suas excelências passam por baixo do portão que separa o quintal da casa e vêm ver as vistas para o jardim, estragando aqui e ali! Cedinho de manhã, oiço-as no canteiro da janela do meu quarto a afastar a casca de pinheiro e a catar o chão à procura de bicharada para comer...

King of the Hill - Yuri

Mas hoje foi demais!!!! Pô...!
Eram sete e pouco da manhã e, à janela do quarto, oiço o meu galo a cantar...! O galináceo nunca mais se calava! Seria a fome que o movia?
E se se habitua a isto, que fazer?
Bem, tenho de ver a coisa pelo lado prático:
Com um galo tão simpático quem precisa de despertador?????

18 comentários:

aprendiz de viajante disse...

Que lindo esse teu mundo... um dia vou fazer uma casa no campo, plantar um pomar, encher o jardim de girassóis e criar galinhas... nas ilhas de bruma a seca não é um problema!!!

um bjo

alice disse...

olá girassol ;)

ouvi o teu galo a cantar e vim dar-te um olá...
às vezes, precisamos de despertadores naturais para nos lembrarmos daqueles que já não sabemos há algum tempo,
mas espero que esteja tudo bem contigo...
um beijinho, alice

Rui Martins disse...

e contudo, a Seca ainda não acabou... De qq modo, reperei, nas passadas chuvas de Dezembro (foi Dezembro?) algo de curioso: a minha filha mais nova de dois anos nunca tinha visto chuva! Caramba, isso diz muito da gravidade desta seca, não diz?

paperlife disse...

Ciao. Eu vou passando, nem que seja para deixar Girassóis.

Obrigada pela constante presença no vida de papel.

Bjs

clotilde disse...

Nada melhor que respeitar o relógio biológico natural
acordar ao amanhecer e deitar ao anoitecer!

Isto é, acordar ao cantar do galo e deitar-se com as galinhas
~
Beijinhos e uma boa noite


Ps: Já li algures que a seca este ano vai ser pior, pois vamos ter cerca de 60 dias com temperaturas acimas dos 35º... Que Deus nos acuda!

Girassol disse...

Wicca, que sorte...Aqui não sabemos, pode ainda ser muito mau!

Alice, para quem é dorminhoca, custa um pouco este despertar inesperado!!!!

Rui, lá isso diz...Haja esperança! Amanhã e dias seguintes vai chover a potes!

Paper life, não podes abandonar a tua afilhada...As tuas histórias intrigam-me...!!!!

Clotilde, volta sempre! Mas esse ditado "de deitar cedo e..." é difícil de cumprir quando andamos na noite em viagem pelos blogues...! Quanto à seca, tens razão, Deus nos livre!

Bjinhos para todos

Bazuca disse...

vendo as coisas pela positiva, como tu muito bem dizes, o teu galo dava-me geito! é que não há despertador que me acorde antes das 8 da manhã!! vamos negociar???
jinhos

Girassol disse...

É para já, Bazuca! Antes que lhe torça o pescoço!!!!
Bjinho

Bazuca disse...

então e as galinhas que estavam todas animadas? veem para cá ou vão para a panela??...

A.J.Faria disse...

Olá, Girassol!
O contacto com a natureza tem estas maravilhas que acabas de descrever!

Um beijinho,

Girassol disse...

As galinhas vão de volta...porque são umas grandes poedeiras!
Uma delas até foi pôr ovo junto ao portão da frente! Seria já uma operação de marketing????

Faria, o mundo rural tem destas coisas...Felizmente que ando de braço dado com ele...

Girassol disse...

Paper life, quando te respondi atrás ainda não sabia que tinhas acabado o teu Vida de Papel...
Vê só...Gostava que continuasses a passar por aqui. Ainda tenho os girassóis todos que me destes para ir postando...
Bjinho

girassol disse...

Ao chegar aqui, na primeira parte do que li, o comentário que me apeteceu fazer era: Bom que essa seca não é exactamente por falta de água. Não devemos mesmo tirar conclusões precipitadas... Ao ler o resto logo percebi que era mesmo falta de água, sim senhor. E que chatice as plantas morrerem, os animais com sede... Os banhos escassos e a pouca água são o de menos. Não faz sentido é o desperdício em que nos banhamos diáriamente, a água a lavar-nos o corpo lavado... -Hábitos!...
E olha que o pensamento positivo sempre faz milagres no contrariar... as contrariedades!

Henrique Santos disse...

Oh grande sortudo, há alguma coisa melhor do que acordar ao som do canto dum galo? Em casa dos meus pais era assim, o meu quarto dava para o quintal e o galo me chamava todas as manhãs, depois... na cidade era o cimento... e ele não canta, é mudo...
Recordo assim:

O Galo cantor

Todas as manhãs me acordavas,
e, eu espreguiçava-me contente,
o sol nascia e me aquecia,
e o menino assim crescia...

Olha espero que gostes desta oferta singela, em homenagem a esta memória linda, os galos tem de voltar a cantar, para a vida ser mais pura!
Bjinhos Ricky

Henrique Santos disse...

Claro que não é sortudo e sim SORTUDA!
Nada de confusões, eheheheheh
Bjinhos Ricky

Isabel-F. disse...

...essa da água é chato mesmo...
quanto ao resto só maravilha...

tb vivo meio no campo...e a essa hora...ouço galos...melros...e...etc...
e posso dizer-te que adoro...é compensador...compensa mesmo as horas diárias que passo no engarrafamento para Lisboa....

Obrigada pelas tuas palavras de ontem.

Beijinhos

ferrus disse...

O sabor das coisas da província...Ah, as saudades do tempo em que o Alentejo foi meu abrigo...Não te invejo, porque esses sabores guardo eternamente no peito.
Adsorei o teu relato :-)
Beijinhos

alfazema disse...

Este teu mundo tem muito a ver com o meu mundo da infância e com o da minha família. Tenho primos e tios que ainda vivem da agricultura e que sofreram bastante com a seca. A bicharada vive num grande galinheiro de onde pode sair apenas para um pequeno passeio por um campo sem cultivo onde debica uma ervinha ou outra, um grãozito de areia e pouco mais. Mas ainda passo algum tempo no campo e os meus vizinhos têm-se debatido com os mesmos problemas.
As minhas árvores, poucas, foram regadas com água da rede . O poço quase secou.
Um beijinho