24 agosto, 2007

Encosta-te a mim...

Rodin

Encosta-te a mim... canta magistralmente Jorge Palma.

.......

Tudo o que eu vi,
estou a partilhar contigo
o que não vivi, hei-de inventar contigo
sei que não sei, às vezes entender o teu olhar
mas quero-te bem, encosta-te a mim.
........

Não sei porquê, apeteceu-me lembrar este poema cantado, já muito visto em vídeo.
Será talvez porque me acalma sentir o toque suave, o calor do braço no meu.

Tantos anos, tanta vida, tanto amor.
Tanto desamor, tantas quezílias, tantas lágrimas.

Não foram cem anos, é exagero, como diz Jorge Palma...
Foram os suficientes para formar um elo - um sem o outro - um com o outro - um mais o outro - um para o outro.

Para que se murmure baixinho:
- Encosta-te a mim...

9 comentários:

Maria disse...

É uma bonita declaração de amor.....

Bom fim-de-semana
Beijinhos

Messala disse...

Querida Sunflower, adoro o teu romantismo, que mulher-menina tu és ainda!
Tem um BFDS encostada ao teu pescador, como tu dizes...
bjs

Mocho Falante disse...

Viva!!!!

Por alguma razão esta musica persegue-me esta semana...e como eu a adoro, é pá este poema deixa-me totalmente extasiado e o estranho é que há qualquer coisa nele que me diz muito.

Se não te importares vou ficar aqui mais um pouco a escutar as palavras tão bem cantadas pelo Jorge Palma

Beijocas

Fernanda e Poemas disse...

Girasol lindo o teu texto e também gostei muito da foto.

Beijinhos,

Fany

Desambientado disse...

Que férias magníficas! Pelo menos parecem.
Li atua mensagem e não poude deixar de vir dizer-te o quanto concordo contigo, excluindo a questão dos netos que ainda não tenho, mas espero vir a ter.
Por me sentir arreliado com tanta arrogância, comecei a envolver mais na política, para poder dizer tudo o que penso....mas o resultado não tem sido satisfatório.
Sou talvez um sonhador, tal como tu és uma romântica.


Beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
Não consigo dormir
Perdi a noção do tempo
E sinto fogo a alastrar nos meus pulmões
Teria valido a pena
Se ao menos os que eu vi partir
Calados, perdidos, exaustos
Conseguissem encontrar o que resta da verdade
Noites longas de aventura,
A rir e a ferrar a brasa da loucura
Nos olhos da razão
Deixem voar este sonho
Não me venham mais bater à porta
,
in) jorge palma
*
xi
*

Leticia Gabian disse...

Que lindo, Flor Maior!
Espero passar por esses anos e poder repetir as mesmas palavras tuas: "um sem o outro - um com o outro - um mais o outro - um para o outro."

(Estou prestes a sentir o toque suave, o calor do braço no meu)

Beijo grande

hfm disse...

Belo!

Guidinha Pinto disse...

Não é só o poema, é QUEM o canta. E o vídeo, é um miminho. Todos os idênticos ao Jorge Palma aparecem. E PORTUGUESES. Tantos e tão bons! Que imagens. Não de "encosto", mas de tenura, de amizade. Penso que nunca vou deixar de o re-ver, cada vez que ouvir a canção. Ainda bem que também gosta ;)
Abraço.