28 agosto, 2007

“Os tate-bitates”

Lembrei-me duma história que se passou em África, era eu uma jovenzinha universitária muito tímida.

Disseram-me que em pequena tinha uma boa dicção, falando fluentemente, sem dificuldade.
Até achavam que poderia ser locutora da rádio!

Depois do desaparecimento da minha mãe, os problemas começaram com a fala.
Gaguejava muito, principalmente quando me enervava.
Queria falar muito depressa, mas os sons não saíam correctos…

Frequentava o 1º ano da universidade e continuava com o mesmo problema: Gaguejava...e quanto mais enervada estava....mais gaguejava!
A situação era grave : chegava a percorrer distâncias enormes a pé para evitar pedir o bilhete de autocarro ao cobrador....
Provas orais? Nem pensar! Procurava dispensar delas, claro!


Vendo o meu desgosto, o meu pai resolveu arranjar-me ajuda e fui parar a um departamento da universidade sul-africana, em Johannesburg, a uma consulta de “terapia da fala”.

Nessa altura, a minha irmã mais velha residia ali e acompanhou-me decidida á primeira consulta.
Fizeram-nos entrar para um gabinete com um espelho que ocupava toda a parede e imaginei logo uma turma de alunos a assistir ao espectáculo!!!!!
Iniciei então aulas com uma terapeuta.
Mas se gaguejava na língua natal, imaginem em inglês…

Ao fim de algumas aulas percebi que o método utilizado consistia no seguinte:
Ao ter dificuldade em pronunciar um som, geralmente os “malvados” pês, tês e qês, teria de repetir esse som tantas vezes até sair sem dificuldade....
Um martírio!

Certo dia a professora resolveu apresentar-me a outros “ tate-bitates”.
Conduziu-me a uma sala onde estavam vários rapazes e raparigas.

Um rapaz dirigiu-se a mim e apresentou-se delicadamente:
-“Mymymymymymy……..nananananamemememememe……iiiiiiiiiiiiiiiiiiis…… JOJOJOJOJOJOhnhnhnhn.....

Fiquei a olhar para ele e percebi naquele instante que, afinal, eu não era tão gaga como pensava!
Dei meia volta, desisti das aulas e acabei por me conformar!!!!!!

Hoje...sim, ainda derrapo nas palavras...mas menos!

14 comentários:

Maria disse...

Gostei da expressão "derrapar nas palavras".....

Beijinhos

Belzebu disse...

Minha amiga Girassol, tu até podes derrapar nas palavras e mesmo um pequeno despiste, não é de certeza importante! Escreves lindamente, transmites uma energia contagiante, lutas por valores que subscrevo e tens um sentido de humor apuradíssimo. Isso dispensa qualquer terapia!

Um abraço infernal, cá das catacumbas!

Joaninha disse...

Para mim isso de "derrapar nas palavras" até te dá uma certa graça! Aposto que o Fernando gosta....Beijos.

greentea disse...

e quem age assim não é gago!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

às vezes falamos demais outras não abrimos boca...
Também sempre detestei as orais e evitava-as, dispensando como era de hábito na época. Mas um dia tive de ir à oral de Matemática - logo à primeira pergunta disse que não rspondia e não respondia e não respondia; resolveram perguntar outra coisa pensando que que não sabia as respostas.
Olhei para eles e disse que não queria responder. Mandaram-me sentar e fiz exameme em 2ª época (sem ter de ir à oral!)
Mai nada...
Tb ando stressada e tento combater por vezes dificilmente a violencia sobre as pessoas sobre os animais, as pessoas sem escrúpulos, sem sentimentos, a crueldade - questões com as quais não consigo pactuar, expondo-me por vezes demasiado onde todos os outros por comodismo ou por medo, não denunciam....
Preciso que o deus do amor e da compaixão venha aqui paraos meus lados.
Um beijo para ti

Girassol disse...

É sempre óptimo encontrar Girassóis neste mundo virtual. É como se logo à partida existisse uma qualquer sintonia entre pessoas que nem se conhecem. =)

O mais engraçado é que, pelo que vi no teu profile, se és de Aveiro, não estamos assim tão longe. A prova viva de que o mundo é um ovo.

Um prazer estar aqui. =)
Beijos menina-girassol.

mãe de dois disse...

"tate-bitates"! Engraçado nunca tinha ouvido este termo senão ao meu pai. Muitos parabéns pelo blog. Há algum tempo que o leio e partilho de muitas opiniões aqui expressadas.

Teresa Calcao disse...

Querida girassol,
Terei o maior prazer de tomar um chazinho contigo,quando tiveres oportunidade.....
tcalcao@gmail.com
Beijinho doce

poetaeusou . . . disse...

*
flor mor
*
conheço tantas
metralhadoras falantes,
que fazem cada derrapagem,
nas palavras, nos pensamentos
e, então nas obras, não te digo nada.
*
xi
*

Aprendiz de Viajante disse...

Podes até derrapar na oralidade, mas na escrita, minha querida, és um "avião", andas a uma velocidade incrivel, não tropeças, não entras por caminhos errados, saber por onde andas... gosto muito de ti.


Um bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbeeeeejinnnnnnnnnnnho:)))

Anónimo disse...

Ana,

Achei interessante ler-te como sempre mas desta vez....acredita que nunca reparei que derrapasses nas palavras....talvez porque gosto muito de te ouvir também.

Chico OM

Fernanda e Poemas disse...

Adorei o texto.
Beijos,
Fany

SM disse...

Podes linkar o meu blog e podes visitar me sempre que quiseres ...
Nesta aventura longe de casa em q sinto umas saudades enooormes da familia e sempre bom encontrar amigos e pessoas com quem falar ...
Em relação à visita a Marrocos ... acredita que vale a pena ... nem que seja pelas incriveis semelhanças comportamentais que encontras entre esta gente e a nossa gente ... so não consegui perceber ainda se fomos nos q aprendemos com eles ou vice-versa ;-)

Beijocas grandes grandes

C Valente disse...

Diria que tens os "platinados a falhar" (peça de carro que agora já não usam este sistema) mas era a ideia de ao arrancar começara falhar, mas a verdade é que eles andavam bem, eu quando me enervo muito tenho tendencia para dizer, e por vezes sai trapalhada, pois falo muito depressa, ou bloqueio, um dia em trubunal por me roubarem o carro, o juiz me perguntou a matricula da viatura e eu não sabia responde Todos temos os nossos pontos fracos, é necessário é saber lidar com eles
Saudações amigas com um beijo

bettips disse...

Começo por dizer que os teus pensamentos deslizam pelas palavras e o teu sentir é doce. Queres mais?