03 julho, 2007

As Árvores Morrem de Pé...



Árvore Morta - António Parreira

"Como eu te compreendo!!
Já passei pelo mesmo há algum tempo atrás quando acabaram com o departamento de Citricultura.
Engoli muita lágrima para não me verem chorar e levei com humor, mas sabe Deus como estava triste! Foram tempos muito difíceis não muito diferentes dos que estamos vivendo agora.


Tudo isto vem sendo preparado há muito, e não prevejo nada de bom, nem para os SERVIÇOS nem para quem cá ficar a trabalhar, infelizmente!

Toda a vida adorei o meu trabalho, e sempre fui feliz lá, mas conseguiram que eu hoje só pense no dia em que me reformar ! Aí serei completamente FELIZ! E vou antes do tempo, porque já não aguento mais este estado de coisas! Não vejo a hora, e penso nisso todos os minutos do meu dia!


O que vale é que me colocaram nas Caldas e as termas, na verdade, são o sítio apropriado para me curar de vez!!Temos que levar isto na boa, senão estamos doidos quando pudermos ir embora, e esse gostinho eu não lhes vou dar!!

TU QUE ÉS UMA MULHER DE FÉ LEVANTA ESSA CABEÇA, E NÃO TE DEIXES ABATER!

Lembra-te que as árvores morrem de pé!!"


Testemunho colocado em comentário por uma funcionária pública como eu, que vivendo e trabalhando toda a vida na margem sul.... foi colocada agora nas Caldas....!!!!

Preocupados com a sua saúde, mandaram-na para termas...

SÓ PODE SER!!!!!

2 comentários:

pb disse...

testemunho emotivo, minha amiga, infelizmente, verifica-se essa situação em todo o lado, eu, no banco, gosto do que faço, mas sinceramente, anseio pelo dia da reforma, não interessa se cortam no dinheiro ao fim do mês, mas o ambiente que se vive actualmente é algo surrealista... bjs

TINTA PERMANENTE disse...

As àrvores, sim, morrem de pé; as pessoas, essas, cada vez mais morrem vergastadas pela sociedade de consumo que as consomem. E, a ambas, a Morte chega sem lhes valer a tempo algum poema!...
Abraço.