30 janeiro, 2007

Olhar Macau II







FLUTUAÇÃO - Leung Mou Kit, 2003
Museu de Arte de Macau


Quando faço uma viagem mais ou menos prolongada e regresso ao ponto de partida, há sempre uma parte de mim que aí fica por algum tempo a pairar.
Na outra viagem, chamei “ Ecos de Macau…” às postagens do depois…
Agora chamarei “Olhar Macau…”, esse olhar e sentir distante que ainda prendo, que tenho prazer em recordar.

Trouxe mais uns livros de poesia, escrita por poetas que viveram ou ainda vivem naquela terra belíssima.
Quero assim partilhar convosco alguns dos poemas que escolhi por me dizerem mais.




Quando o céu começa
o pássaro voa

O céu não é a minha religião
mas dá-me a crença

Como há voos de pássaro
confio no ar

Entre o céu e a terra
apenas a morada das asas

A morada das asas
in "A noite deita-se comigo" - Yao Jingming




Yao Jingming, que reside em Macau e fala português, é autor conhecido pelo pseudônimo Yao Feng, com o qual assina seus livros. Poeta e professor no Instituto de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Macau. Nascido em Pequim, em 1958, Yao é Doutor em Literatura Comparada. Começou a publicar poemas em 1988, tanto em chinês como em português. Entre seus livros de destaque publicados estão Nas Asas do Vento Cego (1989), Confluência (parceira com Jorge Arrimar, 1998), Via gem por Momentos (2001), A Noite Deita-se Comigo (2002), e o ensaio A Poesia Clássica Chinesa: uma Leitura de Versões Portuguesas (2001). Além de poeta, Yao é reconhecido tradutor, tendo passado para o chinês muitos autores da Língua Portuguesa — entre eles Fernando Pessoa, Carlos de Oliveira, Eugênio de Andrade, Sophia de Mello Breyner Andersen e Casimiro de Brito. Em suas três décadas de carreira literária ganhou vários prêmios, incluindo o recente Prêmio de Poesia Rougang 2005.



(Imagem e texto da net)

9 comentários:

Betty Branco Martins disse...

Querida Girassol

Já Voltei:))

O meu comentário de hoje, tem que ser assim um simples – olá e um muito sentido – obrigada – pela visita na minha ausência.

Isto é para eu ter tempo de visitar a todos.

Beijos com muito carinho

hfm disse...

Magníficos estes dois últimos posts!

poetaeusou disse...

Macau.
Genial, Macau.
jinos.

elsa nyny disse...

Olá Girassol!!!

Adorei o poema!!
bj
:)

bettips disse...

Uma riqueza que temos ...em Macau, sim, mas por ti a sabemos. Obg. Bjinho

pitanga disse...

Um dia filmei uma revoada de andorinhas ao entardecer no verão. Dos animais, os pássaros são os que mais gosto. Os livres!

beijos esvoaçantes

Luisa disse...

Mais um belo poema dum Poeta que eu não conhecia.

João Cordeiro disse...

Olá,
Que posso eu dizer se os meus olhos não falam!
Transmitem emoções, a essa beleza inconfundível
que as palavras me transmitem
Aqui estou eu para te dar o meu apoio e solidariedade
Soberbo... continua…
Meu blog:
http://www.sonhadoremfulltime.blogspot.com/

Cristina disse...

Tenho a sorte e o orgulho de ter conhecido o Yao em 1989, ele viveu em Portugal alguns anos,eu assisti ao lançamento do Livro nas Asas do vento Cego num fim de tarde em pleno Chiado. Com ele muitas vezes ouvi os silêncios da cidade de Lisboa.
O Yao merece todo o reconhecimento que o nosso pais finalmente lhe faz, não só ele, mas também a sua amiga e grande Professora Maria Ondina Braga.
Fico sempre feliz quando alguém vive com poesia no coração.....