27 maio, 2007

Para o que me havia de dar...


Hoje assaltou-me uma grande nostalgia...
Resultado talvez da música que coloquei no blog no dia dos meus anos, um saracoteado rock‘n roll!
Comecei a pensar o que gostaria de fazer que ainda não tivesse feito.
E sabem qual foi o resultado?
Uma parvoíce tamanha...mas que querem?
Foi um sonho da minha juventude e que, pelos vistos, ainda está adormecido ...

No meu tempo de juventude, os gloriosos 60’s, as canções de amor andavam de braço dado com o turbulento rock. Dançavam-se as primeiras, agarradinhos, as segundas mexendo o corpo todo, em acrobacias variadas...
A música era importantissima, ouvia-se rádio, faziam-se gravações em fita, compravam-se singles e long-plays. Vivia-se um tempo romântico, com lugar de destaque para as canções e emoções por elas despoletadas.

Tempo dos ídolos, todos os tínhamos.
Em criança, o Pat Boone.
Em jovenzinha, o Cliff Richard.
Mais tarde, os Beatles.
Sempre a música. E a leitura, claro.
Não havia televisão, devoravam-se livros.

Pois bem, ao pesquisar o tal rock para o blogue, lembrei-me de ver o que havia na net do Cliff Richard.
E então surgiu o tal desejo um pouco tolo.

Gostava de assistir a um concerto ao vivo do Cliff Richard.
Porquê?

Carinha laroca de menino, sorriso aberto, canções ternurentas, rocks mexidos, voz bonita, sopinha de massa.
Tinha esta foto a cores, enorme, no meu quarto.

Cliff e os fantásticos Shadows.
Os da minha idade lembrar-se-ão concerteza.







Hoje, produtor vinícola dum vinho rosé de nome “Vida Nova”, em Albufeira, onde tem uma casa de férias há 40 anos, uma rua com o seu nome, o título de Sir dado pela Rainha, é considerado um dos mais populares cantores britâncos de todos os tempos, com imensos discos de ouro.
No princípio deste ano fez um Tour pela Europa, Asia e África do Sul.
E Portugal para quando?


Para o ano comemora 50 anos de carreira.
Fico à espera das festividades.
Vou preparar-me para ir assistir ao concerto da minha vida.
E vou já meter a primeira nota no mealheiro!

13 comentários:

Margri disse...

Bons tempos, Girassol, que eu vivi como tu, intensamente.

O que faltava em tecnologia e em certas liberdades, compensava-se com emoções intensas e com o aproveitar ao máximo o que se tinha.

Vivia-se, sonhava-se, não havia lugar para o aborrecimento.

Também fui uma fã do Cliff Richard.
O interessante é que nessa altura, mesmo os ritmos mexidos conviviam bem com os textos das canções, que se percebiam perfeitamente e nos diziam alguma coisa.

Nostalgias...

Beijinhos e bom domingo.

bettips disse...

Que poeira levantaste, querida Girassol! The Young Ones, com os Shadows! Que romantismo, "poesia, música e sonho"... (havia um programa com este nome!). A verdade é que eram "sementes" de não-violência e talvez por isso, nós conservamos algo de doce
desse tempo. Bjinho

Teresa David disse...

Curiosamente em menina tirando os Beatles nunca apreciei o Rockn'Roll, era mais Brassens, Brel, Moustaki, Ferré, influências de ter amado desde mto tenra idade a cultura e linguas francesas.
Agradeço a tua visita, e confesso estar ansiosa pela minha partida 3ª de madrugada, pois já visitei alguns países da Europa mas é a 1ª oportunidade que tenho de ir dar umas voltas por Itália. Prometo dp contar tudo tudo tudo, que valha a pena contar, claro!
Bjs amigos
TD

Meg disse...

Cliff Richard e os Shadows, claro.
Que memórias! E nós não sabíamos o quanto éramos felizes.
E os Teddy boys? Quem se lembra, dos "maus", do cabelo "comprido" dos Beatles?
É, o tempo passou tão depressa...
Um abraço

Menina_marota disse...

Olha, se ele der um concerto em Portugal, quero ir contigo! Vou já começar a colocar umas notitas de lado... não te esqueças!

Adorei! Adorei!

Não sabia que ele tinha uma rua com o nome dele...

Beijinhos e boa semana ;))

Maria disse...

Querida Girassol

Então foste ao sótão da memória?
Olha, devo dizer-te o primeiro EP que comprei com dinheiro meu foi o Lucky Lips..
Depois (ou antes), vi um filme com ele e com os Shadows, no antigo Roma, quando estava a estudar em Lisboa, não me lembro do título mas seria qualquer coisa como "Summer holidays", em que eles e elas iam todos num enorme autocarro, e eu na altura achei que eram aquelas as férias da minha vida.
Mais tarde ele veio a Lisboa, ao Monumental, e eu fui vê-lo...
Velhos tempos....
De facto, e em vésperas de Greve Geral, "para o que havia de te dar"... hehehe

Beijinhos

Isabel José António disse...

Querida Girassol,

Tinha-lhe perdido o "rasto" e eis que a volto a encontrar e com uma música que também me deixou nostálgica!!!

Quando puder, passe no "Observatório" e no Poesia Viva (através do nosso perfil é fácil lá chegar). O "Caminho do Coração também é capaz de ter algo que lhe desperte o interesse.

Um beijo e boa sorte,

Isabel

Isabel-F. disse...

... eu do Cliff Richard só me lembro do "Congratulations" ...

canção que foi a um dos Eufestivais ... e que eu segui pela rádio lá em LM.

Beijinhos

Teresa Calcao disse...

Que boas recordacoes.....obrigada Girassol!!!!!!!
Beijinho doce

Maria disse...

Living doll....

Deu-te mesmo forte, hehehe
Beijinhos

Margarida disse...

Vim só dizer olá Girassol.
É bomj haver coisas boas para recordar...
bjs da guida

Joaninha disse...

Ana, quando isso fôr avisa-me.Eu também quero ir. Se fôr em Lisboa vens cá para casa. Vai ser uma festa!Beijos1

Guidinha disse...

Vou entrar, se me dá licença ;). Já a li e vou dizer-lhe que gostei. Girassol e margarida são flores, embora de diferentes tamanhos. Para além de Cliff e dos Shadows - saudades desses tempos - andamos nos cinquentas. Temos ambas uma Ria e um Rio para espraiar olhares. Andamos nas mesmas ondas. Acho que virei visitá-la mais vezes. Parabéns.