20 setembro, 2006

No fim ...


No fim tu hás-de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento...

Mário Quintana

11 comentários:

Teresa Durães disse...

No fim tu hás-de ver que as coisas mais leves são as únicas
que faltaram:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento...


(adulterado, para quando se chatearem com alguém....)

Boa noite Girassol!!! Mandas com esta versão na cabeça da pessoa Záz!!!! ou com a outra se estiveres a bem!

(é só alternativas!)

Girassol disse...

Serve...!!!!
Lá descobres a maneira de dar a volta ao texto....e retirares a poesia!!!! Ave caturra!!!
Dorme bem...
Bjs

A.J.Faria disse...

Olá, Girassol!
...já para não falar da tua sensibilidade!
Um beijinho

aprendiz de viajante disse...

...porque essência das coisas verdadeiras nunca se perde!

Um bjinho

Leticia Gabian disse...

Querida girassol,
Amo o Mário Quintana, de paixão!
Que bom vê-lo por aqui a fazer parte do seu jardim.
Lindo! Lindo! Lindo!.
Beijos mis pra ti.

Girassol disse...

Faria, bem vindo!Fazias falta...

Wicca, tão simples, não é?

Letícia, também gosto muito...É parte do meu jardim há tempo!!!

Beijos

pitanga disse...

Ah, como gosto das coisas leves e suaves. Não se esquecem.

beijos e flores

Jardineira aprendiz disse...

Exactamente! Nem é preciso dizer mais!
Então essa gripe já passou?
Por aqui continua o vírus da falta de tempo!
Beijinhos

hfm disse...

Tão brilhante!

Papoila disse...

"A insustentável leveza do ser"...
Beijo

Luisa disse...

Os sentimentos e sensações nada os pode destruir! Quanto ao envelhecimento que comentas no meu blog, é preciso irmo-nos preparando para ele. Chega mais depresss do que se pode imaginar...