24 setembro, 2006

Já tinha saudades suas, Professor...


Pois resumo mais simples e com alguma pontuação, Amigo Buda:

Mesmo convictos de que não há nada, jamais se perca em nós o dom de amar.
Eis a vida perfeita: Amar Amor
Buda Hostil a Luis de Camões!? - Agostinho da Silva


Ontem estive, fascinada, toda a manhã a ouvir um programa na RTP2 sobre o Professor Agostinho da Silva.
A vida, as conversas, um filme, os testemunhos dos que com ele privaram tanto na vida pessoal como profissional, portugueses e brasileiros.
Ouvi, deliciada, o Mestre dizer que CULTURA, é também aprender a cozinhar, a costurar, a bordar, um conjunto de conhecimentos para tornar a vida dos mais simples e menos bafejados pela sorte mais rica em qualidade e bem-estar.
Amigo do povo, defensor do desenvolvimento rural, da interligação entre continentes ao fundar o primeiro centro de estudos africanos e orientais no Brasil na Universidade de Paraíba, da difusão da língua portuguesa pelos vários países africanos através do ensino levado a cabo por professores brasileiros às universidades desses países.

E o reconhecimento e os discípulos aí estão...

Agostinho da Silva

“À sombra do pinheiro de mestre Agostinho

Desenganem-se todos quantos me pensaram de férias, na doce calma do não fazer nada. Se há semanas me não blogueio, outra é a razão, mobilizado que tenho estado pela revisão de um longo livro sobre metodologias da minha área científica e pelo próximo lançamento de um espaço "net" sobre história do presente. Que as aulas estão prestes a começar. Para mim, é já daqui a um pedaço, aqui na Universidade de Brasília onde me encontro, tentando dar uma perspectiva europeia e portuguesa das teorias políticas das relações internacionais.E cá estou nesta capital federal, cidade de Agostinho da Silva, neste sertão de terra vermelha e mangueiras, nesta cidade sonhadas por Juscelino e arquitectada por um povo que a fez cruz e asa de avião. E lá trago as minhas agendas de procura, estes "carnets de politologue", onde tento deter o "mouvant" com um pouco de "pensée". Preciso destas saídas transatlânticas, a caminho do Sul para me sentir mais morenamente lusíada, procurando respostas para estes novos sinais do tempo
...............................................
Daqui a bocado, lá terei uma turma deste curso de doutorado e sinto que vou cumprir uma missão que ultrapassa a minha privacidade. Sinto que carrego a responsabilidade de também poder cumprir o legado que me deixou mestre Agostinho da Silva no tempo dos pioneiros de Brasília, quando, começando a ensinar num barracão, decidiu semear nesta cidade do Novo Mundo um pinheiro português..."

http://tempoquepassa.blogspot.com/2006/08/sombra-do-pinheiro-de-mestre-agostinho.html

(imagens e textos da net)

15 comentários:

Leticia Gabian disse...

Girassol,
Um trabalho e tanto do Agostinho da Silva. Dá orgulho. A cultura precisa de gente assim. Nossos jovens e crianças em formação, necesitam de gente como ele e como você, querida.
Beijos.

hfm disse...

Belíssima homenagem! a este homem sem BI nem cartão de contribuinte - não precisava pois este, sim, era cidadão do mundo!

Teresa Durães disse...

http://www.bn.pt/

na Biblioteca Nacional

sobre agostinho da silva

boa tarde para ti

weg disse...

Excelente post sobre um admirável Homem e a sua forma de olhar o mundo.

Só não gostei muito da foto, parece de cabeça cortada, mas houve tantos a quem isso apeteceu, que até isso está certo.

Um Beijo grande e boa semana!

:)

Girassol disse...

Letícia, dizes bem, dá orgulho saber de todo o seu trabalho e da pesoa que ele foi...

Helena, viajou por todo o mundo, o seu sentir e estar era universal!

Teresa, obrigada pela dica...

Weg, mudei a foto, achei que tinhas razão e confio no teu apurado sentido estético! Escolhi esta foto, homem e gato parecem falar...e entender-se! Ele gostava de gatos e até os levava para casa, quando os encontrava abandonados.

Beijinhos

PiresF disse...

Sejam quais forem as circunstancias, é sempre um enorme prazer encontrar textos sobre Agostinho da Silva.

Não vi o programa de que falas, tenho o hábito de não ver televisão pela manhã. Manias…

Grande abraço.

aprendiz de viajante disse...

Queida girassol


... sempre a lembrar o melhor das criações humanas!

Uma boa semana para ti! Bjo

Papoila disse...

Olá Girassol!
E não te chamasses tu girassol... Agostinho da Silva trazia-o em si... Um verdadeiro Iluminado!
Que bem aqui está lembrado.
Beijo

MiaHari disse...

Agostinho da Silva?
Sem igual!
Muito bem lembrado neste post!

Um abraço.

Teresa Durães disse...

boa semana!

Isabel-F. disse...

Que belo Post. Adorei e Parabéns.

Não vi esse programa ...
no teu texto adorei esta passagem:

"........Ouvi, deliciada, o Mestre dizer que CULTURA, é também aprender a cozinhar, a costurar, a bordar, um conjunto de conhecimentos para tornar a vida dos mais simples e menos bafejados pela sorte mais rica em qualidade e bem-estar.
"....

é bem verdade.

boa semana e bjs

greentea disse...

pois eu andei a doutorar-me noutras artes ...

a nao operder.
beijinhos

fica-te perto : e so apanhar a IP5 e ja la estas...

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Não consegui ver o programa, lamentavelmente.
Obrigada pelo teu trabalho aqui e por partilhares a informação
Um beijo e boa semana

Leticia Gabian disse...

Querida girassol,
Sei que ele já não está mais entre nós, mas o trabalho dele fica presente, continua e segue dando frutos.
Beijo

AS disse...

Agostinho da Silva sempre foi uma personalidade incómoda porque a sua visão das coisas ia muito além da mediocridade que por aqui vai grassando!... Talvez por isso haja tanta gente a tentar apagá-lo da história! Uma vénia para ti por trazeres á nossa memória um homem superior!...

Um beijo...